Não, não fiquei maluco. Pois o primeiro episódio da sétima temporada foi basicamente uma reencenação dos últimos dez minutos do episódio final da sexta temporada, quando usaram um truque barato de narrativa, criando uma série de situações que ocupou o tempo do episódio e esconderam apenas a informação sobre quem seria a vítima do Negan.

O verdadeiro episódio seria sem aquele enfadonho cerco e passeio da turma do Rick e um pouco menos no interminável monólogo do Negan (como os outros personagens não falassem, só chorassem, foi basicamente um monólogo de quarenta minutos. Algumas vezes engraçado, mas depois de um tempo foi como perder tempo com as cantadas do encanador para seduzir a dona de casa em um filme pornô). Menos ilógico, mais marcante e tão violento quanto.

E por que isso? Para esconder a morte do Glenn, que acontece nos quadrinhos naquela mesma situação. Quando escrevemos sobre o último episódio e especulamos sobre a vítima, afirmamos: Sobra o próprio Glenn e Abraham. Isso mesmo: a surpresa era óbvia. Oops, foram dois e fomos pegos desprevenidos? Mas o que aconteceu é que o Abraham era tão irrelevante, que ele não servia nem para morrer no lugar do Glenn. O personagem foi uma isca. Só isso.

Os fãs da série não precisam ser surpreendidos. Nem terror ou horror é isso. São duas coisas diferentes. Terror é a expectativa. Se você precisa refazer a cena, você diminui a expectativa, especialmente se ela acontece meses depois. Talvez se matassem a Maggie (mas era improvável e o vídeo que vazou, daqueles feitos para enganar, prova que era improvável. Em geral eles pegam alguém que ninguém imagina que será morto ou será o assassino e tenta disfarçar para evitar os spoilers) foi horrível. Mas agora? Ninguém liga para o Abraham e quanto ao Glenn. Bem, os fãs queriam ver o Glenn morrendo como nos quadrinhos, especialmente depois de várias situações em que ele inexplicavelmente fugia da morte.  Não precisavam da surpresa.

Já horror, é a repulsão por algo que aconteceu. Claro, a violência excessiva – talvez o mais violento da série – tem causado horror. Está dentro no alcance da competência da série. Mas semana que vem, teremos o enterro dos dois e as intermináveis conversas de meio de temporada para lidar com o dia-a-dia do mundo em que Ricky obedece Negan (até o seu lado psicopata voltar a funcionar, é claro). Cartase imediata. Fosse a última cena da temporada passada, seriam meses de angustia e a memória daquela violência sendo remoída. Mas o certo, é que tentar surpreender foi um erro. Bastava mostrar.

Pensamos bem, teremos episódios inteiros com o Morgan. Horror, o horror…


#thewalkingdead #negan #glenn

Deixe seu comentário